Parque de pesquisas da USP 

Uma aula de Ciências ao ar livre

                 

Pense rápido. Em que lugar de São Paulo é possível encontrar uma área verde com exemplares de diferentes biomas, como Mata Atlântica e Cerrado? Os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental já sabem: é o parque de pesquisas da USP, fechado ao público, mas que foi aberto especialmente para o Magno, permitindo que nossos alunos pudessem aprofundar os estudos sobre biodiversidade, nas aulas de Ciências.

Na USP os  alunos foram recebidos por Ricardo Cardim, botânico pós-graduado pela USP e fundador da Associação dos Amigos das Árvores de São Paulo,  entidade que reúne pessoas interessadas em preservar e observar o verde da capital. 

  

No estudo, os alunos observaram árvores frutíferas, plantas e flores, algumas delas verdadeiras raridades na capital paulista. E ouviram curiosidades sobre a situação do verde em São Paulo, uma cidade com 1.523 quilômetros quadrados de área cuja maior reserva de floresta nativa, o Parque Trianon, na Av. Paulista, conta apenas com 47 mil metros quadrados.

A profa. Maria Júlia, de Ciências, aproveitou para fazer registros de imagens que retratam formas de vegetação que se desenvolvem em variados tipos de solo. Confira alguns exemplos.

        

Ricardo Cardim participou como convidado da Mostra de Ciências do Colégio Magno, sábado último, quando foi entrevistado por alunos e apresentou, aos participantes,  dados importantes sobre a situação das árvores na cidade de São Paulo.